Editora Werlang
A Colônia Santo Ângelo
A Colônia Santo Ângelo

Atuais municípios de Agudo, Paraíso do Sul, Cerro Branco,
Dona Francisca, Nova Palma e Restinga Seca
Rio Grande do Sul - Brasil
Mensagem

Respondeu-lhe Jesus: Também está escrito:
Não tentarás o Senhor, teu Deus.

Mateus 4, 7

Exibir mapa ampliado
As colônias no Rio Grande do Sul em 1924. Amstadt, Teodor. Hundert Jahre Deutschtum in Rio Grande do Sul. Verband deutscher Vereine. 1824-1924. Porto Alegre, 1924. Mapa colorido anexo.
Planta da Colônia Santo Ângelo. Barão von Kahlden. 1878. Werlang, William. A Família de Johannes Heinrich Kaspar Gerdau: Um estudo de caso sobre a industrialização no Rio Grande do Sul - Brasil. Editora Werlang. Agudo. 2002. pág. 179.
    Em 1855, o Governo Provincial criou, na região do município de 
Cachoeira do Sul, a Colônia Santo Ângelo, atuais municípios de Agudo, 
Restinga Seca, Nova Palma, Dona Francisca, Paraíso do Sul e Cerro 
Branco, nome dado em homenagem ao seu fundador Ângelo Muniz Ferraz, 
então Presidente da Província.

    Apenas no dia 1º de novembro de 1857, os primeiros imigrantes alemães 
chegaram no Cerro Chato, atual município de Agudo, na margem esquerda 
do Rio Jacuí. As famílias pioneiras que desembarcaram foram: Franz e 
August Pötter, vindos de Sorenbohm, Kreis Köslin, Pomerânia, Reino da 
Prússia; Christian Leusin, de Lippehne, Kreis Soldin, Neumark; Peter 
Finger de Kiepersdorf, Pomerânia; Julius Neujahr, de Todtenhagen, 
Prússia; Daniel Fiess e Wilhelm Holtz, da Pomerânia; Nikolaus Thomé da 
Prússia; Wilhelm Ludwig Hermann Maack de Berlim e Friedrich Weise do 
Reino da Saxônia. Vieram famílias de diferentes territórios alemães, 
procedentes dos reinos da Baviera, Würtemberg, Hanôver; dos ducados de 
Oldenburg, Hessen, Holstein, Braunschweig, Nassau, Mecklenburg; do 
Principado de Birkenfeld; das Províncias do Reno, Silésia e, 
principalmente, da Pomerânia, no Reino da Prússia. Registros indicam 
imigrantes vindos da Bohemia (Àustria), Suíça, Holanda e Bélgica.

    O Presidente da Província nomeou para todas as suas colônias um 
diretor, delegado da administração central. A Colônia Santo Ângelo, 
teve dois diretores até sua emancipação em 1882. Floriano Zurowski 
(diretor de outubro a dezembro de 1857) e o Barão von Kahlden (diretor 
de 19 de dezembro de 1857 a 1882) e novamente o Barão von Kahlden, 
como administrador  (1882 a 1885). Em 1878, o território da Colônia 
Santo Ângelo abrangia uma área de aproximadamente 400 Km², tendo sido 
medidas 481 colônias e apenas 371 ocupadas. A demarcação das terras 
devolutas abarcou o território situado à margem esquerda do Rio Jacuí 
e em sua fase final, à margem direita, que foi posteriormente 
incorporado à Colônia de Silveira Martins (Quarta Colônia).

    A cidade de Agudo teve origem na antiga Picada Morro Pelado, aberta 
por Kahlden em 1858. Com a expansão da Colônia Santo Ângelo na década 
de 1860, foi realizado a medição e povoamento de grande parte do atual 
município de Paraíso do Sul. Estabeleceram-se então, muitos colonos 
alemães vindos da região de Neustettin, do chamado Hinterpommern, 
destacando-se a municipalidade de Lubow. Na década de 1870, iniciou-se 
a medição da Linha dos Pomeranos, Linha Boêmia e Linha São Pedro.
Theodor Amstadt, afirma que a partir de 1875 o Barão von Kahlden e 
Muller (p. 547), demarcaram novas colônias particulares para 
imigrantes alemães e descendentes, originários da Colônia Santo 
Ângelo. Os lotes coloniais foram demarcados na região do atual 
município de Cerro Branco, e em sua expansão atingiram as terras do 
Novo Cabrais. Uma parte da chamada Estrada do Cortado (atual Cerro 
Branco) medida por Kahlden na década de 1880, também fazia parte do 
território da Colônia Santo Ângelo.

    Na década de 1880, o von Kahlden começou a medir o grande complexo de 
terras situadas na margem direita do Jacuí, e até maio de 1881, foram 
medidos 100 parcelas em três linhas (atuais Linhas Formoso e Trombudo 
em Dona Francisca e Linha Ávila ou Caemborá em Nova Palma). Na Picada 
do Rio, foi construído o quarto galpão de recebimento de imigrantes 
numa propriedade particular. Entre 1857 e 1881, foram abertas as 
seguintes picadas e linhas: Picada do Rio, Morro Pelado, Linha Nova, 
leste do Morro Agudo, Linha Neri, Travessão do Paraíso, Linha Sinimbu, 
Linha Brasileira, Linha Contenda, Linha Patrício, Linha Marcondes, 
Linha dos Pomeranos, Travessão Central Norte e Sul, Cortado, Boêmia, 
São Pedro, Ávila, Formoso e Trombudo.

    Segundo o Padre Amstadt (p. 547), em 1899 o latifundiário M. Pinto, 
fundou a colônia particular Miguel Martins na margem direita do Jacuí 
(atual Restinga Seca). Estas áreas foram adquiridas principalmente por 
colonos alemães oriundos da Colônia Santo Ângelo.

    No dia 4 de setembro de 1885, a Câmara Municipal de Cachoeira do Sul 
dividiu a Colônia Santo Ângelo "em 6 grandes complexos de acordo com a 
Lei nº 1.433, de janeiro de 1884, para arrecadação do imposto 
colonial". Neste momento, foi extinta a unidade e autonomia da Colônia 
Santo Ângelo. A partir desta data, Santo Ângelo deixou de existir, 
surgindo em seu lugar distritos que deram origem a vários municípios: 
Agudo (1959), Restinga Seca (1959), Nova Palma (1960), Dona Francisca 
(1965), Paraíso do Sul (1988) e Cerro Branco (1989).
[Quem Somos]  [Blog]  [Twitter]  [CEW]  [Linhagens]  [Cont]  [Links]
In Hoc Signo Vinces!
Fundadores:
Fernando Jacob Werlang (1889-1947)
F. Werlang & Cia - Santa Cruz do Sul - RS  
Emilio Arthur Berger (1904-1966)
Emilio A. Berger - Várzea do Agudo 
contador de visitas
www.editorawerlang.com.br
www.coloniasantoangelo.com.br
Copyright © 2000-2016 by Editora Werlang - CNPJ: 04-096.900/0001-35 - Caixa Postal 42 - Agudo - RS - 55-3265-2017
Desde 20/07/2000 - Reg. J.C. 25/11/2004 - editorawerlang.com.br - www.coloniasantoangelo.com.br